Pedir emprestado

As minhas primas viviam com muitas dificuldades. Batiam à porta, à noite para ninguém as ver. “Venho cá ver se a prima me dava alguma coisinha”, era assim que diziam.

Quando a minha mãe casou [Elisia, filha de Rafael Rodrigues Pai-Avô], tinha que sair de casa alugada para poupar a renda e ter dinheiro para as obras numa casa que era da minha tia. A minha tia fez a doação à irmã e ao marido.

A minha mãe fez a casa no celeiro. Ainda teve que pedir dinheiro emprestado. Onde eram as portas, púnhamos cortinas para não se ver para dentro. Não havia vidros nas janelas, só tinha as portadas de madeira.

Um dia, a Tia Custódia, criada da Tia Maria Rita, disse à minha mãe para pôr os vidros que ela pagava. E foi assim que a casa passou a ter vidros nas janelas.


Warning: Use of undefined constant wpurl - assumed 'wpurl' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/patiodasmemorias/public_html/wp-content/themes/bridge-child/templates/portfolio-loop.php on line 284
Pedir emprestado

R. Marquês de Pombal, Sines, Portugal

Recolha
Maria Rita, Sines, 2016
Local e data reportados
Sines, R. Marquês de Pombal Anos 30-40 séc. XX
Categoria
Terra e Mar
O projeto do Pátio das Memórias do Alentejo Litoral é uma teia que se vai tecendo e nunca está completa. Junte-se a este projeto e contribua com as suas histórias e memórias para um retrato ainda mais nítido desta região do Alentejo.